ESTRUTURA GEOLÓGICA DE MOÇAMBIQUE

As grandes unidades geológicas suas subdivisões e localização

As características geológicas de Moçambique estão bastante ligadas às do continente Africano em geral e as da África Austral em particular.

Do ponto de vista geológico em Moçambique distinguem-se duas grandes Unidades geológicas: O PRECÂMBRICO que ocupa cerca de 534.000 Km² e o FANEROZÓICO com aproximadamente 237.000 Km² do total da superfície do país. Esta divisão corresponde a dois grandes períodos geológicos da história do planeta Terra, que se manifestaram de forma expressiva no nosso território.

O Precâmbrico

− No nosso país o Precâmbrico distribui-se sobretudo pelas zonas Norte e Centro-Ocidental do país;
− Ocupa cerca de do território nacional ;
− Os terrenos do Precâmbrico são constituídos pelas rochas mais antigas do território nacional, tendo se formado há mais de 600 milhões de anos;
− Em Moçambique, as rochas do Precâmbrico dividem-se em duas partes que são: O Precâmbrico Inferior também conhecido por Arcaico e representado pelo Cratão Rodesiano (Zimbabweano) e o Precâmbrico Superior, também conhecido por Cinturão de Moçambique ou Mozambique Belt.

Precâmbrico inferior ou arcaico

− Localiza-se essencialmente na Província de Manica, englobando o Sistema de Manica;
− As suas rochas têm mais de 200 milhões de anos;
− É constituído pelas formações montanhosas de Macequesse e de M’beza e Vengo; − O sistema de Manica prolonga-se para o interior do Zimbabué onde forma os cinturões de ouro de Mutare e Odzi;
− Geologicamente é constituído por rochas metamórficas de origem magmáticas e sedimentar.

Precâmbrico superior ou cinturão de Moçambique

− É constituído por formações antigas, profundamente removidas por várias orogenias, das quais a última (Katanguiana) deixou vestígios marcantes datados de 500 milhões de anos;
− O Precâmbrico Superior divide-se em três províncias geológicas que são: Província de Moçambique que ocupa a região Norte e centro de Tete e a região Ocidental de Niassa;
b) Província de Niassa que ocupa as regiões do interior de Niassa, Cabo Delgado, Nampula, Zambézia;
c) Província do Médio Zambeze que ocupa as regiões do interior de Manica e sul de Tete;
− Estas províncias têm características litológicas e estruturais muito bem definidas.

O Fanerozoico

O Fanerozoico distribui-se de seguinte modo pelo país:

  • A Sul do rio Save – ocupa quase na totalidade as províncias de Maputo, Gaza e Inhambane;
  • Na região Central do país (Sofala e Zambézia) – vai se estreitando gradualmente até a zona de Quelimane;
  • Na região Norte do país – parte da zona de Quelimane e vai se reduzindo a uma faixa estreita do litoral até à foz do rio Lúrio, donde parte a seguir em triângulo até ao curso inferior do rio Rovuma;


− O Fanerozoico é constituído essencialmente por rochas sedimentares, que se formaram entre os 300 e 70 milhões de anos. Também inclui algumas formações eruptivas, por exemplo: os basaltos e riolitos que ocorrem junto à fronteira sul do país;
− Fazem parte do Fanerozóico as rochas (períodos geológicos) do Karroo, Jurássico, Cretácico e ainda as formações de Terciário e Quaternário, estas últimas as mais recentes.

O Karroo

− Geograficamente o Karoo distribui-se pelas Províncias de Niassa, Cabo Delgado, Tete, Manica e Sofala;
− Os materiais (sedimentos) que formam o Karroo são de origem continental depositados nas bacias com falhas, a maior das quais está representada nas Províncias de Tete e Manica;
− Originalmente, a designação de Karroo provém da área com mesmo nome na República sul africana, onde o sistema está bem representado, formando enormes bacias, com sequência geológica bem caracterizada por fósseis;
− No nosso país o Karroo subdivide-se em três partes: o Karoo Indiferenciado, Inferior e Superior;
− A importância económica do Karoo consiste em possuir enormes jazigos de carvão, germânico, ágatas, perlites e bentonintes.

O Jurássico

− As formações do Jurássico, encontram-se representadas nas províncias de Tete e Cabo Delgado;
− É constituído por rochas sedimentares, como grés, calcários e conglomerados, mas também por rochas eruptivas , como os riolitos, ignimbritos e gabros.

O Cretácico

− É essencialmente constituído por rochas sedimentares. No entanto, registam-se também rochas, como granitos, sienitos, carbonatitos e traquitos;
− O Cretácico divide-se em indiferenciado e inferior;
− O Cretácico inferior é constituído por grés, conglomerados e calcários predominando na parte côncava do maciço de Lupata a sudeste da província de Tete;
− A sua importância económica consiste na presença de jazigos de gás natural e de sienitos, importantes na produção do alumínio.

O Terciário e Quaternário

− As duas formações (unidades) apresentam semelhanças no que respeita a sua composição litológica;
− O quaternário é composto por sedimentos resultantes da erosão de rochas formadas no terciário; − As duas formações (unidades) dominam quase todo o sul do rio Save, estando também bem representadas no litoral Centro do país;
− O terciário é caracterizado por grés, conglomerados, calcários. Subsistem também rochas basálticas, chaminés vulcânicas de basaltos nifelínicos e traquitos;
− O quaternário, sendo resultado da erosão, é essencialmente composto por dunas, calcário lacustre, aluviões e coluviões;
− Na maioria dos casos, os terrenos do terciário se encontram cobertos por sedimentos do quaternário.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*